Você já ouviu falar em Síndrome de Irlen?

Você já ouviu falar em Síndrome de Irlen?

11 de dezembro de 2019 0 Por Fono Center

“A visão é responsável por 85% de tudo que percebemos no mundo. Aprender novas habilidades está intrinsecamente ligado a forma como vemos, percebemos e codificamos os estímulos que chegam aos nossos olhos. Quando estes estímulos apresentam algumas distorções, passamos a operar com dificuldade e desconforto. Embora seja uma síndrome pouco conhecida no Brasil, a incidência é grande, em cem pessoas, quatorze apresentam distorções ou/e desconforto na leitura.. Muitas pessoas com Síndrome de Irlen relatam cansaço, dores de cabeça, ou outros sintomas físicos quando sob a influência de luzes fluorescentes.

Pesquisas internacionais mostram que 46%-50% das pessoas com problemas de leitura, Transtorno do Déficit de Atenção, dislexia e dificuldades escolares são portadoras da Síndrome de Irlen.

Quando não tratada repercute em toda a sua vida acadêmica e profissional. A identificação precoce e o incremento de estratégias apropriadas de aprendizado permitem a integração e o desenvolvimento dos talentos inatos de cada criança.óculos ou lentes de contato)prescrição exclusivade  oftalmologista. “

A Síndrome de Irlen é uma distorção na percepção visual. Foi descoberta por Helen Irlen em 1987 nos EUA.

A síndrome começa a ser percebida principalmente quando a criança entra na idade escolar e mostra algum comprometimento no seu processo de aquisição da leitura e da escrita. Como muitas não têm consciência das suas dificuldades , se consideram desajeitadas e incoordenadas sem se dar conta que estes problemas são parte aparente de uma dificuldade mais ampla.

As pessoas com Síndrome de Irlen consomem mais energia e esforço na leitura e outras atividades visuais porque captam de forma diferente, podendo apresentar alguma falhas na percepção. A tentativa de corrigi-las pode causar fadiga, cansaço e desconforto, o que afeta a leitura, a nitidez, a compreensão, o desempenho e o tempo de concentração

É válido ressaltar que não se trata de intervenção medicamentosa, nem invasiva, mas sim propõe dois tipos abordagem (IRLEN, 1991):

1. Uso de overlays – lâminas de sobreposição. Objetivos: proporcionar conforto, nitidez, estabilidade e fluência durante a leitura.

                                                                                                                                                           2. Filtros de bloqueio espectral  (em

A Síndrome de Irlem não é diagnosticada em exames oftalmológicos de rotina, apenas com um teste específico aplicado por profissionais treinadas (screeners).